Make your own free website on Tripod.com

A VERDADE

Acima de Tudo!

 

 

 

...todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo! I Cor 8:6

21 - Revista Ministério Publica Resposta Oficial sobre a trindade

 Robson Ramos

 

 

O artigo diz que a trindade foi uma revelação gradual até para os anjos, responsabiliza a Deus pelo surgimento do pecado no coração de Lúcifer, contraria revelações dadas à Sra. White e pode justificar até a aceitação de famílias homossexuais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A edição da revista Ministério (março/abril de 2003) traz extenso artigo em defesa da trindade.

 

Em nossa análise o artigo:

 

1 - Fundamenta-se na imaginação de teólogos contemporâneos, em lugar da Bíblia, que é citada em passagens dissociadas do tema proposto;

2 - Contradiz a revelação dada à irmã White em relação ao início do Grande Conflito;

3 - Apresenta a trindade como uma revelação gradual até para os anjos;

4 – Supõe que a revelação gradual teria sido a razão para o descontentamento inicial de Lúcifer. Ou seja:

 

A) Atribui a origem do pecado à omissão divina de não revelar inicialmente aos anjos a existência da trindade. Lúcifer teria se rebelado por causa do convite feito por Deus ao arcanjo Miguel, sem saber (ele e os anjos) que Miguel era, de fato, Deus Filho, disfarçado de anjo, e convivendo com eles como se fosse criatura. Diz ele:

 

"E aqui está o âmago da questão: os anjos não sabiam que o arcanjo Miguel, que eles tinham na conta de um companheiro, de um anjo como tantos outros, era na verdade o Criador deles, o Filho Unigênito de Deus, a segunda Pessoa da trindade, o Verbo Divino, através do qual todas as coisas haviam sido criadas. Até aquele momento eles não sabiam que Deus era uma trindade, e que uma das Pessoas da trindade, a Segunda, habitava entre eles na forma de um anjo!" (Pág. 18.)

 

Sobre encontrar explicações para a origem do pecado, convém relembrar o que escreveu a Sra. White:

 

"É impossível explicar a origem do pecado de maneira a dar a razão de sua existência. Todavia, bastante se pode compreender em relação à origem, bem como à disposição final do pecado, para que se faça amplamente manifesta a justiça e benevolência de Deus em todo o Seu trato com o mal. Nada é mais claramente ensinado nas Escrituras do que o fato de não haver sido Deus de maneira alguma responsável pela manifestação do pecado; e de não ter havido qualquer retirada arbitrária da graça divina, nem deficiência no governo divino, para que dessem motivo ao irrompimento da rebelião. O pecado é um intruso, por cuja presença nenhuma razão se pode dar. É misterioso, inexplicável; desculpá-lo corresponde a defendê-lo. Se para ele se pudesse encontrar desculpa, ou mostrar-se causa para a sua existência, deixaria de ser pecado." O Grande Conflito, págs. 492-493.

 

B) Apresenta um conceito de Mediação estranho à Bíblia, pois supõe que mesmo antes do surgimento do pecado no Céu ou em outros mundos em que o pecado não tenha ocorrido, haveria necessidade da intercessão de Jesus Cristo, que intermediaria o contato dos seres criados com Deus, em função da desigualdade entre criaturas e o Criador. Para o autor, Jesus era o Mediador entre os anjos e Deus sem que estes soubessem. Assim, já não é o pecado que faz separação entre o homem e Deus, mas simplesmente a sua condição de criatura.

"Os anjos ficaram assombrados com a revelação de que o arcanjo Miguel era o Filho de Deus e 'alegremente reconheceram a supremacia de Cristo, e, prostrando-se diante dEle, extravasaram seu amor e adoração'.12 Mas o que estava Cristo fazendo entre eles, como anjo? Antes que o Verbo Se manifestasse na carne e habitasse entre os homens, Ele adotou a aparência de anjo e habitou entre os anjos, assumindo pela primeira vez o Seu papel de mediador.

"É preciso ter em mente que não só os seres caídos, mas também os não caídos têm necessidade de um mediador entre eles e Deus, pois 'há misteriosos abismos a serem atravessados, mesmo onde o pecado não perpetrou a sua obra de ruptura nas mentes criadas! Obviamente, um enorme ato de mediação é necessário, a fim de cobrir as infinitas distâncias que inevitavelmente existem entre o Criador e Suas criaturas'.13" (Pág. 19.)

 

A primeira frase entre aspas foi retirado de seu contexto no livro Patriarcas e Profetas, pág. 36 para dar a impressão de que estaria de acordo com as revelações recebidas por ela em visão. Você conferirá isto ao ler o item D desta seqüência.

Já o segundo trecho entre aspas não foi extraído de algum texto inédito da Sra. White como alguns poderão supor. É de uma apostila de Carsten Johnssen, da Andrews University, intitulada "Como Poderia Lúcifer Conceber a Idéia de Rivalizar-se com Jesus Cristo?". Como se vê, a obra pretende encontrar explicações lógicas para a origem do pecado.

 

 

C) Compara a divindade a uma família desestruturada, distorcendo o claro ensino bíblico de que Deus, quando decidiu criar o homem à Sua imagem e semelhança moldou no barro apenas um exemplar da nova espécie de seres e, deste primeiro homem, retirou sua companheira. Soprou Seu espírito (ruach), fôlego de vida, energia vital, nas narinas de Adão, e Eva já surgiu com o mesmo espírito, poder para viver, não sendo necessário que Deus o soprasse novamente em suas narinas. Eva já existia em Adão.

Do mesmo modo, o Filho possui idêntico espírito ao Pai e esse espírito não é uma terceira pessoa. Pois, quando a divindade quis representar-se através de criatura, providenciou apenas dois seres, sendo que Eva estava contida em Adão, do mesmo modo que o Filho desde a eternidade esteve contido no Pai e não foi criado, mas gerado por Ele em algum momento a partir de Sua própria substância.

 

Se Eva pudesse ser comparada a um clone de Adão, pois estivera contida nele na criação, tendo, portanto, a mesma idade e procedência, formando literalmente com ele uma só carne, o Filho igualmente poderia ser apontado, em linguagem humana e imperfeita, como o Perfeito Clone do Pai. Como escreveu o apóstolo:

 

"Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus." Colossenses 1:15-20.

 

"Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles. Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho?" Hebreus 1:1-5.

"Quero, entretanto, que saibais ser Cristo o cabeça de todo homem, e o homem, o cabeça da mulher, e Deus, o cabeça de Cristo. ...Porque, na verdade, o homem não deve cobrir a cabeça, por ser ele imagem e glória de Deus, mas a mulher é glória do homem. Porque o homem não foi feito da mulher, e sim a mulher, do homem." 1 Coríntios 11:3, 7-8.

"...Porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo." Efésios 5:23.

A amorosa submissão do Filho ao Pai e o amor incondicional do Pai para com o Filho, deveria servir de exemplo para cada casal humano. Mas a trindade não se parece com um casal. Pelo contrário, pode representar, no mínimo, uma família complicada, moderna, em que o Filho não foi gerado pelo Pai, mas por um terceiro, o Espírito. E se os três são iguais em tudo, como irmãos gêmeos, o Filho termina sobrinho de Si mesmo e o Pai, tio do Filho.

A comparação infeliz não termina por aí:

"Essa família Trinitária serve de modelo para a família humana, pois Gênesis 2:24 diz que o homem se une à sua mulher, tornando-se “uma só carne”. Ora, marido e mulher são duas pessoas, mas o amor substancia essa união, fazendo com que dois sejam um. Assim também é o amor que une a trindade." (Pág. 17.)

"Israel estava cercado por nações politeístas. Assim, a insistência do Antigo Testamento em dizer que Deus é um só tinha por objetivo combater a idéia desses deuses pagãos. [Que absurdo insinuar que a singularidade do Deus de Israel era apenas força de expressão!] Deus não queria que o Seu povo acreditasse que Ele fosse igual a esses supostos deuses, geralmente constituídos por um deus superior, masculino, sua esposa e filho e mais uma porção de deuses menores." (Pág. 20.)

Segundo o texto temos na trindade uma "família divina", modelo, que se opõe às famílias divinas dos pagãos, que eram compostas de pai, mãe e filho. Neste caso, que tipo de família seria a trindade? Não tenha medo de concluir! Seria exatamente o modelo de família que os homossexuais hoje buscam, composta de dois integrantes de um mesmo gênero e seu filho. Note, um é chamado Pai, mas foi o outro que gerou o Filho! E para completar, a palavra "espírito" em hebraico (ruach) é feminina e no grego (pneuma) pertence ao gênero "neutro".

 

D) Estas citações da Sra. White também contradizem o principal argumento do artigo, de que a trindade foi uma revelação gradual até para os anjos:

"O Soberano do Universo não estava só em Sua obra de beneficência. Tinha um companheiro - um cooperador que poderia apreciar Seus propósitos, e participar de Sua alegria ao dar felicidade aos seres criados. "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus." João 1:1 e 2. Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com o eterno Pai - um em natureza, caráter, propósito - o único ser que poderia penetrar em todos os conselhos e propósitos de Deus." Patriarcas e Profetas, pág. 34.

"Não tinha havido mudança alguma na posição ou autoridade de Cristo. A inveja e falsa representação de Lúcifer, bem como sua pretensão à igualdade com Cristo, tornaram necessária uma declaração a respeito da verdadeira posição do Filho de Deus; mas esta havia sido a mesma desde o princípio." Patriarcas e Profetas, pág. 38.

"Cristo era reconhecido como o soberano do Céu; Seu poder e autoridade eram os mesmos de Deus." História da Redenção, pág. 14.

"Antes da manifestação do mal, havia paz e alegria por todo o Universo. Tudo estava em perfeita harmonia com a vontade do Criador. O amor a Deus era supremo; imparcial, o amor de uns para com outros. Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com o eterno Pai - um na natureza, no caráter e no propósito - o único Ser em todo o Universo que poderia entrar nos conselhos e propósitos de Deus. Por Cristo, o Pai efetuou a criação de todos os seres celestiais. "NEle foram criadas todas as coisas que há nos céus ... sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades (Col. 1:16); e tanto para com Cristo, como para com o Pai, todo o Céu mantinha lealdade." O Grande Conflito, pág. 493.

"As elevadas honras conferidas a Lúcifer não eram apreciadas como um dom de Deus, e não despertavam gratidão para com o Criador. Ele se gloriava em seu resplendor e exaltação, e aspirava a ser igual a Deus. Era amado e reverenciado pela hoste celestial. Anjos deleitavam-se em executar suas ordens, e, mais que todos eles, estava revestido de sabedoria e glória. Todavia, o Filho de Deus era o reconhecido Soberano do Céu, igual ao Pai em poder e autoridade. Em todos os conselhos de Deus, Cristo tomava parte, enquanto a Lúcifer não era assim permitido entrar em conhecimento dos propósitos divinos." O Grande Conflito, pág. 495.

E ainda, sobre Lúcifer: "Tudo que era simples ele envolvia em mistério, e mediante artificiosa perversão lançava dúvida às mais compreensíveis declarações de Jeová." O Grande Conflito, pág. 497.

Afinal, cremos ou não nas revelações feitas por Deus a Ellen G. White?

E) Desde a primeira frase do artigo, o autor usa a imaginação para colocar a Palavra de Deus em dúvida: "Imaginemos que Deus fosse apenas uma Pessoa..." (Pág. 17.) Ele apenas imagina e chega a conclusões fundamentadas nessa imaginação. Por exemplo: não diz quando os anjos teriam descoberto que havia uma terceira pessoa divina, invisível, o Espírito Santo, trabalhando no coração deles, mas afirma que isso aconteceu.

"Nenhuma menção é feita na Bíblia e nos escritos de Ellen White sobre a obra do Espírito Santo antes da Criação. Ellen White diz apenas que “o Pai, o Filho e o Espírito Santo deram-se a Si mesmos ao estabelecerem o plano da redenção”.15 Entretanto, como sabemos pela Palavra de Deus que uma de Suas atribuições é “convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (João 16:8), podemos imaginar que durante a rebelião de Lúcifer o Espírito Santo atuou no coração e na mente dos anjos, incluindo o querubim cobridor, procurando convencê-los, “com gemidos inexprimíveis” (Rom. 8:26), de que Lúcifer estava enveredando pelo caminho do pecado e que Deus é justo.

 

"O Espírito de Deus conseguiu convencer dois terços de anjos, mas um terço, infelizmente, não Lhe deu ouvidos. Podemos concluir, portanto, que Lúcifer e seus anjos pecaram contra o Espírito Santo e não puderam mais permanecer na santa atmosfera do Céu." (Págs. 19-20.)

 

Os parágrafos acima ilustram claramente o que acontece nesse e outros artigos preparados em defesa da trindade. Usa-se a imaginação para suprir informações que a Bíblia não traz e chega-se a conclusões absurdamente equivocadas, como essas de Rubem Schefell.

 

 

Rua 9 de Julho, 1600 - Ipiranga

CEP - 88.111-380 - São José/SC

 (48) 246-8184

VOLTAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.