Make your own free website on Tripod.com

A VERDADE

Acima de Tudo!

 

 

 

...todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo! I Cor 8:6

 

Porque não aceitamos a Doutrina da trindade

 

A trindade

 

Há algum tempo temos estudado o assunto da trindade, mas não fazemos isso para encontrar argumentos favoráveis para uma nova idéia que queiramos defender. Pouco deveria importar para nós e para qualquer outra pessoa com um pouco de bom senso, tentar defender um novo ponto de vista sobre qualquer assunto espiritual.

Como cristãos, não nos é permitido ter idéias novas, ou preferências próprias, no que diz respeito à fé. E especialmente quando se trata de assunto tão polêmico que pode confundir ou fazer tropeçar aqueles que ainda estão iniciando sua carreira espiritual.

Somos constantemente advertidos de que qualquer doutrina só tem algum valor quando se fundamenta no que "está escrito" na Bíblia.

Quando se estudam profecias, ainda que pensemos de forma diferente da estabelecida pela maioria, há a segurança de saber que nenhuma nova interpretação pode derrubar marcos já estabelecidos.

O debate não gira em torno da existência do espírito Santo, como muitos têm feito parecer. Tampouco temos dúvidas acerca da importância de seu ministério.

A única questão é: Não poderíamos, apesar de toda a luz que temos, estar incorrendo na transgressão do primeiro mandamento, que nos adverte: "Não terás outros deuses diante de Mim"?

Tudo que queremos é somente fazer a vontade do Senhor, amparados pela revelação bíblica.

Antes de expor nosso pensamento sobre aquilo que acreditamos ser a verdade revelada por Deus a Sua igreja, faz-se necessário apresentamos a atual doutrina da Igreja sobre esse assunto, a qual encontra-se no Manual da Igreja, páginas 9-19.

 

      A trindade

“Existe um só Deus: Pai, Filho e espírito Santo, uma unidade de três pessoas co-eternas.” – Crenças Fundamentais, 2 – Nisto Cremos

O Pai

Deus, o Eterno Pai, é o Criador, o Originador, o Mantenedor e o Soberano de toda a criação...” Crenças Fundamentais, 3 – Nisto Cremos.

O Filho

Deus, o Filho Eterno, encarnou-se em Jesus Cristo. Por meio dEle foram criadas todas as coisas...” Crenças Fundamentais, 4 – Nisto Cremos.

O espírito Santo

Deus, o espírito Santo, desempenhou uma parte ativa com o Pai e o Filho na criação, encarnação e redenção. Inspirou os escritores das Escrituras.” – Crenças Fundamentais, 5 – Nisto Cremos.

Esta é a doutrina oficial da Igreja Adventista hoje. Digo hoje, porque essa doutrina só passou a vigorar após aprovação na reunião da Conferência Geral em 1980 em Dalas.

Vale lembrar que esta doutrina só tornou-se oficial após aprovação em reunião da Conferência Geral em Dalas em 1980.

 

DEUS É UM, OU UMA TRINDADE?

Sobre este assunto já existem vários estudos realizados, dos mais simples aos mais complexos. Procuraremos apresentar a seguir um estudo bastante simples, e, sobretudo lógico.

Para chegarmos a uma conclusão sobre esta questão, façamos um estudo bastante simples, usando apenas o dicionário como fonte de interpretação.

Para iniciarmos, vejamos o que afirma o manual da IASD sobre Deus:

Há um só Deus: Pai, Filho e espírito Santo, uma unidade de três Pessoas coeternas. Deus é imortal, onipotente, onisciente, acima de tudo, e sempre presente. Ele é infinito e está além da compreensão humana. mas é conhecido por meio de Sua auto-revelação. Para sempre é digno de culto, adoração e de serviço por parte de toda a Criação. (Manual da Igreja pág. 9 e 10). 

O texto lido afirma que há um só Deus: Pai, Filho e espírito Santo, uma unidade de três pessoas co-eternas, ou seja, que Deus é o resultado da união das três pessoas da divindade.

 

Vejamos agora o que diz a Bíblia:

“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força”.  (Deuteronômio 6:4-5).

“E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”. (João 17:3).

A Bíblia diz que Deus é único. Para sabermos o que significa o vocábulo único, recorreremos ao Dicionário Michaelis:

 

único

adj. 1. Que é um só; que não tem igual em sua espécie ou gênero. 2. Excepcional. 3. Sem semelhante. 4. Superior aos demais; o melhor; a que nada se compara.

O dicionário define o vocábulo “único” como sendo “um só” e “que não tem igual em sua espécie e gênero”. Uma vez que a Bíblia afirma que Deus é único, concluímos, portanto que Deus não é dois nem três, mas que Deus é um só.

A partir deste entendimento, procuraremos na Bíblia uma passagem que confirme esta descrição de Deus, ou seja, que afirme claramente que o “Deus único” é um só.

No livro de Tiago encontramos o que procuramos:

“Crês, tu que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem, e tremem.” (Tiago 2:19).

Esta passagem afirma claramente que Deus é um só. Salienta ainda que, até mesmo os demônios crêem e tremem.

Mas, o que é ser “Um só”?

Recorreremos novamente ao dicionário Michaelis, para sabermos o que significa a expressão “um só”.

 

Um: Uno, único, só.

: Que está sem companhia; sozinho. Considerado com exclusão de outros; único:

Pela análise das descrições apresentadas, fica claro que, quando a Bíblia afirma que Deus é “um só” ela esta afirmando que Ele é único, ou seja, que nesta posição Ele está sozinho, não há outro igual, o que concorda com as duas primeiras passagens (Deuteronômio 6:4-5 e João 17:3), as quais afirmam que Deus é único.

Conclusão:

Deus é único, pois é um só, ou seja, não existe outro igual em espécie e gênero. 

Alguém poderia dizer: Então o manual da igreja esta correto, pois afirma que Deus é um só, uma unidade de três pessoas co-eternas, o Pai, o Filho e o espírito Santo.

Procuraremos então na Bíblia um texto que possa definir se este Deus, que é um só e que é único, é realmente uma unidade de três pessoas co-eternas, como afirma o manual da IASD, ou se Ele é uma única pessoa.

Para tanto, recorreremos a primeira carta de Paulo aos Corintios:

I Corintios 8:6

“Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele.”

Este texto reafirma o que já constatamos nos textos anteriores, ou seja, que Deus é um só. Mas o texto não diz somente isto, na seqüência há uma revelação que põe fim à qualquer dúvida. O Deus único, apresentado na Bíblia, não é uma unidade de três pessoas co-eternas, mas sim uma só pessoa, o Pai.

Se o texto acima afirmasse: “Todavia para nós há um só Deus, de quem são todas as coisas e para quem existimos...,” poderíamos concordar com o Manual da IASD, quando afirma que Deus é um só, pois seria admissível entender que este Deus que é um só, é uma unidade de três pessoas co-eternas, no entanto, o texto é claro pois especifica que o Deus único é o Pai, “Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e não uma unidade de três pessoas co-eternas.

Dizer que Deus é uma unidade de três pessoas co-eternas, é contrariar o que está claro na Bíblia, ou seja, negar a Bíblia.

O Próprio Cristo confirma o que foi exposto, ao afirmar que os verdadeiros adoradores, adorarão não uma trindade, nem uma unidade de três pessoas co-eternas, mas o Pai. Diz ele:

“Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.” (João 4:23-24).

Vale repetir. O texto não afirma que os verdadeiros adoradores adorarão uma trindade, o texto afirma claramente que a adoração será a uma única e específica pessoa, o Pai.

No livro de Isaías, o próprio Deus afirma que não há outro além dEle:

“Eu sou o SENHOR, e não há outro; além de mim não há Deus; eu te cingirei, ainda que não me conheces.” (Isaias 45:5).

Neste texto, o próprio Deus Pai afirma que além dEle não há Deus. Portanto, se afirmarmos que Deus é uma unidade de três pessoas co-eternas, estaremos contrariando o próprio Deus, uma vez que I Corintios 8:6, define claramente que Deus é o Pai, e não uma unidade de três pessoas co-eternas.

Diante destes fatos não temos como chegar a outra conclusão senão a de que a vida eterna está em conhecermos o Pai, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem Ele enviou. – João 17:3.

O Pai esta a procura dos verdadeiros adoradores. A quem vamos adorar, a uma trindade, ou ao Pai, o Deus único e verdadeiro? Com toda certeza, o Pai, aquele que segundo João 4:11 e 12, jamais foi visto por olhos humanos.

Diante das evidências bíblicas concluímos que:

O Pai é o Deus único, é espírito, é onisciente, onipresente e onipotente. Nada pode ser comparado a Deus, o Pai, que esta acima de tudo e de todos, e que, está presente em todos os lugares através de Seu Santo espírito.  É Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual enviou para morrer em nosso lugar, ressuscitou-o da morte, concedendo vida eterna a todo aquele que o aceita como seu redentor e salvador.

Mas se apenas o Pai é Deus, qual é a posição de Jesus? Jesus deve ou não deve ser adorado? Jesus possui ou não possui vida em si mesmo?

Deixaremos que a Ellen White responda estas perguntas:

 

CRISTO O FILHO DE DEUS

Deus apresenta a Verdadeira posição de Cristo (A Verdade Sobre os Anjos, páginas 32 e 33).

Texto - 1

O Rei do Universo convocou os exércitos celestiais perante Ele, para, em sua presença, apresentar a verdadeira posição de Seu Filho, e mostrar a relação que Este mantinha para com todos os seres criados. ... Perante os habitantes do Céu, reunidos, o Rei declarou que ninguém, a não ser Cristo, o Unigênito de Deus, poderia penetrar inteiramente em Seus propósitos, e a Ele foi confiado executar os poderosos conselhos de Sua vontade. – Patriarcas e Profetas, pág. 36.”

Este texto mostra que foi revelado à Ellen G. White que o próprio Deus Pai declarou a todos os habitantes do Céu, que ninguém, a não ser Cristo, poderia penetrar inteiramente em Seus propósitos. Isto põe por terra as afirmações de que Deus é uma unidade de Três pessoas co-eternas, pois afirma que apenas um Ser poderia penetrar nos propósitos de Deus, e esse ser é Jesus Cristo.

 

Texto - 2

O grande Criador reuniu os seres celestiais para poder, na presença de todos os anjos, conferir honra especial a Seu Filho. Este estava sentado no trono com o Pai, com a multidão celestial de Santos anjos reunida à volta. Então o Pai fez saber que Ele próprio ordenara que Cristo, Seu Filho, fosse igual a Ele, de modo que, onde o Filho estivesse, estaria a Sua própria presença. A palavra do Filho deveria ser obedecida tão prontamente quanto a do Pai. O filho fora investido de autoridade para comandar o exército celestial. Deveria Ele agir especialmente em união com o Pai no projeto de criação da Terra. ... Cristo era reconhecido como Soberano do Céu com poder e autoridade iguais aos do próprio Deus.” – The Espirity of Prophecy, vol. 1, págs. 17 e 18.”

Analisando este texto chegamos as seguintes conclusões:

 

1.     Deus, o Pai conferiu honra especial a Seu Filho.

Se o pai conferiu honra especial a Seu filho é porque ele não a tinha. Portanto, Ele não era igual ao Pai, ou seja, não era o próprio Deus, como afirma a doutrina da trindade, pois jamais sendo Jesus Cristo, Deus, teria como receber honras, pois Sua honra já seria completa, uma vez que estaria no mesmo nível de Deus, o Pai.

 

2.     Deus, o Pai ordenou que Cristo fosse igual a Ele.

Se o Pai ordenou que Cristo deveria ser igual a Ele, fica evidente que ele ainda não o era, e se hoje ele é igual ao Pai, é porque assim o Pai o quis. 

Jesus recebeu uma dotação ilimitada do espírito de Deus. A Palavra de Deus afirma claramente, que Ele foi ungido com uma porção do espírito de Deus, superior à de qualquer outro que tenha sido ungido. Falando de Jesus, ela declara:

"Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso, Deus, o Teu Deus, Te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos Teus companheiros." - Hebreus 1:9.

Cristo é a fonte de vida para o homem. Nele há vida não emprestada, original e não derivada; mas, a própria vida que Ele tem em si mesmo, foi concedida pelo Pai.

"Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu também ao Filho ter a vida em si mesmo." João 5:26.

Cristo de fato possui vida em si mesmo, vida original, não derivada, não emprestada, mas é a vida que provem da fonte que é o Pai.

O Pai ordenou que Seu Filho fosse igual a Ele. Agora não seria mais um único ser que deveria ser adorado, mas dois, o Pai e o Filho.

A afirmação de que o espírito Santo é uma pessoa e que deva ser adorada, não é amparada pela Bíblia e nem pelos escritos de Ellen White.

O irmão consegue lembrar de algum texto da Bíblia, que diga que o espírito Santo deve ser adorado ou louvado? Veja o que diz o livro do Apocalipse:

“Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos. E os quatro seres viventes respondiam: Amém; também os anciãos prostraram.” - Apocalipse 5:13-14.

Ellen White também confirma que devemos adorar apenas o Pai e o Filho:

“Não é aos homens que devemos exaltar e adorar; é a Deus, o único Deus verdadeiro e vivo, a quem são devidos nosso culto e reverência... Unicamente o Pai e o Filho devem ser exaltados...” The Youth's Instructor, 7 de julho de 1898. -- Filhos e Filhas de Deus, MM 1956, 21 de fevereiro, pág. 58.

 

3.     Cristo era reconhecido como Soberano do Céu, com poder e autoridade iguais aos do próprio Deus.

Esta é outra afirmação de Ellen White que nos chama atenção, pois se Ela afirma que Cristo era reconhecido como soberano do Céu, com poder e autoridade iguais aos do próprio Deus, fica evidente que Ela não cria na doutrina da trindade, tendo em vista sua afirmação de que a Cristo, foram conferidos poderes que só Deus possuía. Se só Deus possuía é porque Cristo não possuía, sendo assim, Cristo não poderia ser o Próprio Deus eterno como afirma a doutrina da trindade. 

 

4.     O texto é conclusivo pois demonstra claramente que há uma hierarquia no Céu.

Deus, o Pai, figura como o primeiro; como tal, Ele, por Sua própria vontade e sabedoria, exaltou a Jesus e deu a Ele ilimitado poder e comando. Por isso, Satanás teve ciúmes de Jesus. Ellen White no livro Primeiros Escritos pág. 145 diz que Satanás “desejou receber no Céu a mais alta honra depois de Deus." Satanás queria estar logo abaixo de Deus o Pai, no lugar onde estava Jesus Cristo.

Quando a palavra Deus é aplicada à pessoa do Pai e à pessoa do Filho, ela diz que existem apenas duas pessoas desta espécie, seres que possuem exclusivamente os atributos da imortalidade, onipotência, onipresença e onisciência. Quando a palavra Deus é aplicada também a Jesus Cristo, ela quer dizer que Ele é da mesma natureza, da mesma substância, da mesma essência que o Pai. Quer dizer que Ele é Deus em razão de ser Filho de Deus.

Quando, porém, a designação Deus é aplicada isoladamente à pessoa do Pai, ela quer dizer que o Pai, é a Origem sem origem, o Princípio sem princípio, o Começo sem começo, o Todo-Poderoso soberano do universo, o Único Deus. Neste uso hierárquico da expressão Deus, Jesus Cristo permanece em Sua posição de Filho de Deus e, por ser Filho, submete-Se ao Pai como Seu próprio Deus, sem pretender igualar-se a Ele em autoridade e poder. É essa hierarquia que elimina o politeísmo e desfaz a ilusão de um deus abstrato e impessoal.

O próprio Cristo afirmou que após o encerramento do grande conflito Ele se sujeitará ao Pai. Vejamos:

“Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas sujeitou, para que Deus seja tudo em todos.” (I Corintios 15:28 BLH).

Diante do exposto não temos como chegar a outra conclusão, senão a de que:

Cristo é o divino Filho de Deus, existente deste os tempos da eternidade, como pessoa distinta, mas um com o Pai. Despiu-sede seus poderes divinos para tornar-se um de nós. Viveu sem pecado, morreu em nosso lugar, foi ressuscitado por Deus, o Pai, subiu em corpo ao Céu, foi glorificado e hoje intercede por nós e esta conosco através de seu Santo espírito.

Diante do que foi exposta até aqui, surge a seguinte pergunta:

Se somente o Pai é Deus e Cristo é o filho de Deus, quem ou o que é o espírito Santo?

 

O ESPÍRITO SANTO

Quanto ao espírito Santo, cremos ser importante refletirmos no que Ellen White escreveu a seu respeito. Diz ela:

A natureza do espírito Santo é um mistério. Os homens não a podem explicar, porque o Senhor não lho revelou. Com fantasiosos pontos de vista, podem-se reunir passagens da Escritura e dar-lhes um significado humano; mas a aceitação desses pontos de vista não fortalecerá a igreja. Com relação a tais mistérios - demasiado profundos para o entendimento humano - o silêncio é ouro." - Atos dos Apóstolos pág. 51.

Como Ellen White declarou, a natureza do espírito Santo é um mistério que o homem não pode entender porque Deus não revelou

Não obstante a esta declaração de Ellen White, o que mais temos visto hoje por parte dos “doutores em divindade” da igreja é tentarem provar que o espírito Santo é uma pessoa e é Deus.

Conforme Ellen White declarou, não podemos explicar a natureza do espírito Santo, no entanto, baseados em textos bíblicos e no que ela escreveu, podemos ter uma idéia de quem ou o que é o espírito Santo.

Podemos entender o espírito Santo como sendo uma dádiva que PROCEDE DE DEUS PAI, através de SEU FILHO, JESUS CRISTO.

Baseamos este pensamento nos seguintes versos:

Lucas 11:13:

“Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais Pai celestial dará o espírito Santo àqueles que lho pedirem?

Lucas 24:49:

“Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.”

João 20:21-22:

“Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o espírito Santo.”

Atos 1:8:

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.”

Atos 2:16-18:

“Mas o que ocorre é o que foi dito por intermédio do profeta Joel: E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, e sonharão vossos velhos; até sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu espírito naqueles dias, e profetizarão.”

Atos 2:32-33:

“A este Jesus Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas. Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis.”

 

DE ONDE PROCEDE O ESPÍRITO SANTO?

“Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim; e vós também testemunhareis, porque estais comigo desde o princípio." (João 15:26-27).

O verbo grego equivalente ao “proceder”, utilizado em João 15:26, é ekporeuomai. O espírito da verdade procede (ekporeuomai) do Pai. O significado deste verbo no original é sair ou partir de dentro de. O verbo ekporeuomai é utilizado também nos seguintes versos com exatamente o mesmo sentido original (partir de dentro, do interior de):

“Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede (ekporeuomai) da boca de Deus.” - Mateus 4:4.

“O que sai (ekporeuomai) do homem, isso é o que o contamina.” - Marcos 7:20.

“Então vi sair (ekporeuomai) da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs.” - Apocalipse 16:13.

Em João 15:26 o verbo ekporeuomai indica que o espírito da verdade sai, ou parte de dentro (do interior) do Pai. Isso enfraquece a teoria que defende o espírito da verdade (parákletos) como uma terceira pessoa, independente do Pai e do Filho. O espírito de Deus está dentro de Deus e não fora dEle. De dentro de Deus, o Pai, o espírito emana para os seus filhos através de Cristo.

A Bíblia é muito clara ao afirmar que o espírito que foi enviado pelo Pai, é o espírito de Cristo e não a suposta terceira pessoa da trindade, o “deus espírito Santo” como querem os defensores da Doutrinada trindade. Vejamos algumas passagens que confirmam isto:

 “Foi a respeito desta salvação que os profetas indagaram e inquiriram, os quais profetizaram acerca da graça a vós outros destinada, investigando, atentamente, qual a ocasião ou quais as circunstâncias oportunas, indicadas pelo espírito de Cristo, que neles estava, ao dar de antemão testemunho sobre os sofrimentos referentes a Cristo e sobre as glórias que os seguiriam.” (I Pedro 1:10-12).

 “E percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo espírito Santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o espírito de Jesus não o permitiu.” (Atos 16:6-7).

“E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!” (Gálatas 4:6).

Ao comentar sobre a inspiração que receberam os profetas no passado, veja as declaraçãos reveladoras de Ellen White:

 

Cristo é chamado a Palavra de Deus, João 1:1-3. Ele é assim chamado porque Deus deu Sua revelação ao homem em todas as épocas através de Cristo. Ele é o espírito que inspirou os profetas. I Pedro 1:10,11. Ele foi revelado como o Anjo de Jeová, o Capitão das hostes do Senhor, o Arcanjo Miguel.” - Patriarchs and prophets, pág. 761, parágrafo 5. 

“Os samaritanos criam que o Messias havia de vir como o Redentor não só dos judeus, mas do mundo. O espírito Santo dEle predissera, por meio de Moisés, como um profeta enviado por Deus.”  (O Desejado de Todas as Nações Pág. 193).

 

O Batismo de Cristo – A Verdade Sobre os Anjos, Páginas 168 e 169.

“O olhar do Salvador parece penetrar o Céu, ao derramar a alma em oração. Bem sabe como o pecado endureceu o coração dos homens, e como lhes será difícil discernir Sua missão, e aceitar o dom da salvação eterna. Suplica ao Pai poder para vencer a incredulidade deles, quebrar as cadeias com que Satanás os escravizou, a derrotar, em seu benefício, o destruidor. Pede o testemunho de que Deus aceite a humanidade na pessoa de Seu Filho.

Nunca antes haviam os anjos ouvido tal oração. Anseiam trazer a Seu amado Capitão uma mensagem de certeza e conforto. Mas não; o próprio Pai responderá à petição do Filho. Diretamente do trono são enviados os raios de Sua glória. Abrem-se os céus, e sobre a cabeça do Salvador desce a forma de uma pomba da mais pura luz – fiel emblema dEle, o Manso e Humilde. ...

Ele viu os Céus se abrirem e o espírito de Deus, na semelhança de uma pomba de ouro polido, sobrevoar a cabeça de Cristo, enquanto uma voz provinha do Céu, dizendo: Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo.’ Mat. 3:17. – The Youth’s instructor, 23 de junho de 1892.”

 

Os textos confirmam em primeiro lugar: a verdade de que Cristo é o Filho de Deus e não o “Deus Filho”, como insistem em afirmar os teólogos da IASD, e em segundo lugar, que Cristo veio a este mundo desprovido de poderes sobrenaturais. Veio apenas com a natureza humana. Isso é confirmado nas palavras de Cristo, quando este suplica ao Pai poder para vencer a incredulidade do povo e que o Pai aceite a humanidade na pessoa de Seu Filho. Na seqüência, Ellen White afirma que o próprio Pai responde o pedido do Filho. Diz ainda que diretamente do trono são enviados raios de Sua glória.

Diz também, que a gloria do Pai foi enviada sobre Cristo, na forma de uma pomba, e não que o Deus espírito Santo desceu dos céus sobre Cristo. No texto seguinte, ela especifica o que é essa glória:

“Ele [João Batista] viu os Céus se abrirem e o espírito de Deus, na semelhança de uma pomba de ouro polido, sobrevoar a cabeça de Cristo”.    Diante de tal declaração, temos que o espírito de Deus é a glória do próprio Deus e não a suposta terceira pessoa da trindade.           

Para esclarecer melhor este ponto, analisemos o testemunho que foi escrito por Ellen White em 1893:

"Depois de Cristo ser batizado, curvou-Se nas margens do Jordão; e nunca antes ouvira o Céu tal oração como a que saiu de Seus lábios divinos. Cristo tomou sobre Si nossa natureza. A glória de Deus, em forma de uma pomba de ouro polido, pousou por sobre Ele e, da infinita glória, foram ouvidas estas palavras: ‘Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo’. Mat. 3:17.

A oração de Cristo fendeu as trevas e penetrou aonde está Deus. Isto quer dizer, para cada um de nós, que o Céu se nos acha aberto. Quer dizer que as portas estão abertas de par em par, que a glória é comunicada ao Filho de Deus e a todos quantos crêem em Seu nome. Nossa petição será ouvida no Céu, assim como Deus respondeu à petição de nosso Penhor, nosso Substituto, o Filho do infinito Deus." Manuscrito 27, 1893 (Temperança, 184)

Relativo a esta cena, vimos que Deus revelou à Ellen White, que o espírito Santo que descera sobre Cristo era a glória do Pai na forma de uma pomba de ouro polido. O texto também afirma que, "a glória é comunicada ao Filho de Deus e a todos quantos crêem em Seu nome", certificando-nos de que ao pedir ao Pai receberemos porções da Sua glória, que é o Seu espírito.

Diante das evidências bíblicas e dos escritos de Ellen White fica impossível aceitamos o espírito Santo como sendo uma pessoa distinta do Pai e de Jesus Cristo.

 

Mas com que base afirmamos isto?

 

Porque, segundo a Bíblia e os escritos de Ellen White, o espírito Santo, como Pessoa, não esteve presente quando foi traçado o plano da redenção, não esteve presente na criação dos anjos, não esteve presente quando o Pai apresentou perante os anjos a verdadeira posição de Seu Filho, não esteve presente no conflito nos céus, não tomou parte na obra da Criação da terra e do ser humano, não se fez presente na crucifixão de Cristo, e segundo Apocalipse, não se fará presente no Céu após a volta de Cristo e o encerramento do grande conflito.

Outro ponto que merece nossa atenção, é o fato de que ao descer sobre Cristo a glória do Pai, ouve-se a voz Deste afirmando ser Cristo o Seu Filho amado. Diante de tais evidências, fica difícil de entender a posição daqueles que insistem em afirmar que Cristo não é o Filho de Deus, e sim o próprio Deus.

Para defender a Doutrina da trindade, o Pastor e “Doutor em divindade” Jerry Moon co-autor do livro “A trindade” chega ao absurdo de sugerir em seu artigo publicado na Revista Adventista Americana de 22 de abril de 1999, que quando a natureza humana de Cristo morria aqui na terra a natureza divina sofria no céu.

O Pastor Jerry Moon usa filosofia espírita para explicar a morte de Cristo, que sendo o Deus Eterno como prega a Doutrina da trindade, jamais poderia morrer!

Apesar de absurdo, esse pensamento se harmoniza com a crença fundamental número 4, onde diz que Deus, o filho eterno encarnou-se em Jesus Cristo.”, ou seja, duas pessoas distintas, uma encarnando em outra.

A Palavra de Deus e os escritos de Ellen White confirmam que Cristo é o Filho de Deus, mas infelizmente existem muitas pessoas que não aceitam esta verdade, e assim colocam-se na mesma condição de incredulidade, do povo da época de Cristo, a ponto de Cristo ter que suplicar ao Pai, poder para vencer tamanha incredulidade.

Os escritos de Ellen White confirmam, o espírito Santo é o espírito do próprio Cristo e não a terceira pessoa de uma suposta trindade.     Vejamos alguns textos:

"Cristo os atrai para Si por um poder invisível. Ele é a Luz da vida, e os inspira com Seu Próprio espírito." (Meditações 1999, pág. 40).

"Devemos aplicar-nos a copiar o Modelo, para que o espírito que habita em Cristo habite em nós." (Meditações 1962, pág. 178).

“Todos quantos consagram corpo, alma e espírito a Seu serviço estarão constantemente recebendo nova provisão de poder físico, mental e espiritual. Os inesgotáveis abastecimentos celestes se acham a sua disposição. Cristo lhes dá o alento de Seu próprio espírito, a vida de Sua vida. O espírito Santo desenvolve suas mais altas energias para operar na mente e no coração.” (Ciência do Bom Viver pág. 109).

“Enquanto a todos dirige o convite para irem a Ele e serem salvos, comissiona Seus anjos, para prestar divino auxílio a toda alma que a Ele se achega com arrependimento e contrição; e, pessoalmente, por meio de Seu espírito Santo, está no meio de Sua igreja.” (A Igreja Remanescente, pág. 11).

O espírito Santo, que procede do unigênito Filho de Deus, une o instrumento humano - corpo, alma e espírito - à perfeita natureza divino-humana de Cristo.” (Mensagens Escolhidas Vol. 1 Pág. 251).

“O instrumento humano, o instrumento visível, deve pregar a Palavra, e o Senhor Jesus, o invisível agente, por meio de Seu espírito Santo, deve tornar a Palavra eficaz e poderosa.” (Mensagens Escolhidas Vol. 1 Pág. 18).

Diante destas afirmações, fica fácil de entender o seguinte texto de Ellen White:

“Impedido pela humanidade, Cristo não poderia estar em todos os lugares pessoalmente, então foi para vantagem deles (os discípulos) que Ele deveria deixá-los, ir para o Pai, e enviar o espírito Santo para ser o Seu sucessor na terra. O espírito Santo é Ele mesmo, despido da personalidade da humanidade e independente dela. Ele Se representaria como estando presente em todos os lugares pelo Seu espírito, como o Onipresente. “Mas o Consolador, O espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito” (João 14:26). “Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei” (João 16:7).” - Manuscripts Releases Volume14, pág. 7.

Diante dos fatos apresentados, chegamos as seguintes conclusões a respeito do espírito Santo:

O espírito Santo é uma dádiva que procede do Pai (João 15:26-27). Por ser filho de Deus, o Pai, Cristo possui o mesmo espírito do Pai. Sendo que Cristo é nosso único mediador perante o Pai (I Timóteo 2:5), é através do Seu espírito de Cristo que recebemos as bênçãos e somos convencidos do pecado, da justiça e do juízo (João 16:8). É através de Seu espírito que Cristo habita em nós (Gálatas 4:6) e está presente em todos os lugares ao mesmo tempo (Salmos 139:1-10).

 

OS PIONEIROS E A DOUTRINA DA TRINDADE

Vejamos o que os nossos pioneiros escreveram sobre a doutrina da trindade:

 

JOSÉ BATES

Com respeito à trindade eu concluí ser impossível acreditar que o Senhor Jesus Cristo, o Filho do Pai, como também o Todo Poderoso Deus, o Pai, um e o mesmo Ser.” – Joseph Bates, Review and Herald 1827.

 

JAMES (TIAGO) WHITE – Esposo de Ellen White

“A forma espiritualista pela qual negam a Deus como o único Senhor, e que Jesus Cristo está numa primeira posição, constitui um antigo credo trinitariano, fora das escrituras; que Jesus é Deus eterno. No entanto não existe passagem das escrituras que dê suporte isso. Temos testemunhos bíblicos em abundância que ele é Filho do Eterno Pai.” - James White, The Day-Star, 24 de janeiro de 1846.

“A grande falta da Reforma foi que os reformadores pararam de reformar. Se tivessem  levado avante, não teriam deixado nenhum vestígio do papado atrás, tal como a natural imortalidade, batismo por aspersão, a trindade, a guarda do domingo, e a igreja agora estaria livre de erros escriturísticos.” - James White, Advent Reviw, 07 de fevereiro de 1856.

“Eu estava certo, quando disse que a doutrina da trindade degrada a expiação, trazendo o sacrifício, o sangue pelo qual fomos comprados, para baixo num padrão de comprometimento.” - James White, Advent Reviw, 10 de NOVEMBRO de 1863.

 

          J.N. ANDREWS

A doutrina da trindade foi estabelecida na igreja pelo concílio de Nicéia 325 AD. Essa doutrina destrói a personalidade de Deus e seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor. A forma infame como foi imposta à igreja, aparece nas páginas da história eclesiástica, que causa aos que acreditam na doutrina corar de vergonha.” – J. N. Andrews, Advent Review, 06 de março de 1855.

  

J.N. LOUGBOROUGH

Esta doutrina da trindade foi trazida para a igreja no mesmo tempo em que a adoração de imagens, e a guarda do domingo e não é mais do que a doutrina dos persas remodelada.” - J.N. Lougborough, Advent Review, 05 de novembro de 1861.

 

R. F. COTTRELL

Sustentar a doutrina da trindade, não é mais que uma evidência da intoxicação pelo vinho que todas as nações beberam. O fato dessa ser uma das principais doutrinas, senão a principal, pela qual o bispo de Roma foi exaltado ao papado, não recomenda muito em seu favor.” – R. F. Conttrell, Advent Review, 06 de julho de 1869.

 

          WILLIE (GUILHERME) WHITE – Filho de Ellen White

“As declarações e os argumentos de alguns dos nossos ministros em seu esforço para provar que o espírito Santo era um indivíduo como é Deus, o Pai e Cristo, o eterno Filho, têm me deixado perplexo e algumas vezes eles me tem entristecido" – James white, Carta ao Pastor H. W. Carr, 30 de Abril de 1935.

 

O Professor de História na Universidade Adventista de Andrews, George Knight fala na Revista Ancião de janeiro de 1994 a respeito das mudanças que ocorreram no adventismo.

 

“Muitos dentre os fundadores do adventismo não se uniriam à Igreja hoje, se eles tivessem que subscrever as crenças fundamentais da denominação. Mais especialmente, muitos deles não concordariam com a crença nº. 2, a qual trata da doutrina da trindade. Semelhantemente, os pioneiros adventistas ficariam perturbados com a crença nº. 4, que fala da eternidade e divindade de Cristo. Tampouco poderiam, alguns dos primeiros dirigentes adventistas concordar com a crença nº. 5, relacionada com a personalidade do espírito Santo.

 

Qual era a Doutrina oficial da Igreja aprovada em 15 de abril de 1894, em Battle Creek por 1521 Adventistas pioneiros e que vigoraram até o ano de 1980?

 

Princípios Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia

"Os Adventistas do Sétimo-dia não tem um credo além da Bíblia; mas eles mantém certos pontos de fé bem definidos e estão preparados para dar a sua razão a todo homem que os perguntar... Eles crêem:

1. Existe um Deus, um Ser pessoal e espiritual, o Criador de todas as coisas; onipotente, onisciente e eterno; infinito em sabedoria, santidade, justiça e bondade, verdade e misericórdia; imutável, e presente em todo o lugar por seu representante, o espírito Santo. Salmos 139:7.

2. Que existe um Senhor Jesus Cristo, o Filho do eterno Pai; por quem foram criadas todas as coisas, e pelo qual elas subsistem;... "

 

Hoje, a filosofia católica "tres personae, una substantia" (Três Pessoas, uma substância) foi incorporada na Crença Fundamental n° 2 da Igreja Adventista: "Há um só Deus, que é uma unidade de três pessoas co-eternas."

 

Como ocorreram estas mudanças?

A Igreja Adventista sempre pregou ter a verdade, e foi aprender com Roma uma doutrina inventada na mesma época em que introduziram o domingo, a imortalidade da alma e o batismo de crianças. Se a Doutrina da trindade é uma doutrina genuinamente bíblica, como afirmam os “doutores em divindade”, porque Deus escolheria revelar essa doutrina primeiramente a “Babilônia”, a “grande meretriz”, para depois então revelar à Igreja Adventista do Sétimo Dia?

 

Pastor Leroy Edwin Froon

Este foi o homem que introduziu a doutrina da trindade na Igreja Adventista.

O pastor LeRoy foi o introdutor da doutrina da trindade na Igreja Adventista e confessa em seu livro, que foi buscar as informações em outras fontes por não ter encontrado nada nos livros da igreja e que no espírito de Profecia encontrou somente "vestígios”, mas foi lá fora que encontrou homens com muito mais conhecimento sobre o espírito Santo.

 

A Confissão de LeRoy E. Froom

“Aqui posso fazer uma confissão pessoal e franca... fora uns vestígios inestimáveis no espírito de Profecia, eu não encontrei praticamente nada desse fantástico ramo de estudo da Bíblia. Não existiam prévias pegadas em nossos livros e literatura. Eu fui obrigado a pesquisar em livros fora da nossa fé. ...alguns desses homens tinham pontos de vista mais profundos das coisas espirituais de Deus, que muitos dos nossos próprios homens tinham então sobre o espírito Santo e a vida triunfante. Permita-me declarar que meu livro "A vinda do Consolador" foi o resultado de uma série de estudos que eu dei em 1927 e 1928 nos institutos ministeriais através da América do Norte. Você não imagina como eu fui atacado por alguns mais antigos, porque eu insisti na personalidade do espírito Santo como uma terceira pessoa da divindade. Alguns homens negaram isto, continuam negando, mas o livro foi gradualmente sendo aceito como padrão.”

 

O Livro “A trindade”

Vejam irmãos o que encontramos no livro “A trindade”, a versão em português do livro “The Trinity”:

 

Página 12:

 “No espírito dos pioneiros adventistas, os autores deste livro têm a seguinte firme convicção: se não podermos sustentar biblicamente qualquer ensinamento, não queremos saber dele.”

 

Página 105:

“Se os dados contraditórios são convincentes, talvez a “verdade” necessite ser seriamente modificada ou mesmo abandonada. Ninguém deveria ter medo de fazer uma mudança se alguma crença – inclusive a trindade – vier a se demonstrar antibíblica.”

 

Vejamos agora a confissão que fazem na página 221 do mesmo livro:

“Os pontos de vista da igreja finalmente mudaram porque os adventistas chegaram a uma compreensão diferente da evidência bíblica.”

 

Ora irmãos, o Pr. Leroy Froon confessa que foi buscar informações sobre a trindade em outras fontes por não ter encontrado nada nos livros da igreja.

Os autores do Livro “A trindade” confessam que os pontos de vista da igreja finalmente mudaram porque os adventistas chegaram a uma compreensão diferente da evidência bíblica.

 

Prezados irmãos, como poderemos aceitar uma doutrina que não possui nenhum amparo, tanto na Bíblia como nos Escritos de Ellen White?

 

ADVERTÊNCIAS DE ELLEN WHITE QUANTO A ESTES LÍDERES DA IASD

A mesma obra que foi executada no passado será levada avante sob o disfarce da Associação Geral.” Letter to Elder O.A. Olsen, may 31, 1896.

“Contudo, ouvimos que a voz da Associação é a voz de Deus. Toda vez que ouço isto, tenho pensado que é quase uma blasfêmia. A voz da Associação Geral deveria ser a voz de Deus, mas não é, porque alguns em ligação com ela não são homens de fé e oração, não são homens de princípios elevados.” - Manuscrito 37, p. 8, abril de 1901.

Que esses homens se posicionem num lugar sagrado para serem como a voz de Deus ao povo, como outrora críamos ser a Associação Geral, isto está no passado. Boletim da Associação Geral, pp. 23-25, 3 de abril de 1901.

Tem havido muitos traidores disfarçados no acampamento, e Cristo conhece a cada um deles. Deus tem sido desonrado por súditos desleais que, caso Cristo estivesse hoje na terra em forma humana, bradariam: ‘Crucifica-O, crucifica-O’. “Homens que poderiam ter permanecido na clara luz, realizando corajoso serviço como ministros do evangelho e médicos missionários, têm estado aceitando falsas teorias e sofismas; que se origi­naram com o pai das mentiras, todavia eles não reconhecem que mudaram. Special Testimonies, Série B, # 7, pp. 13-16 (20 de novembro de 1905).

“Há decidido testemunho a ser dado por todos os nossos pastores em todas as nossas igrejas. Deus tem permitido ocorrerem apostasias a fim de mostrar quão pouco se pode confiar no homem. Devemos olhar sempre a Deus; Sua palavra não é Sim e Não, mas Sim e Amém.” Manuscrito 148 – Mensagens Escolhidas Vol. 2, pág. 395.

“Tenho pouca confiança de que o Senhor esteja a conceder a estes homens, em posições de responsabilidade, visão espiritual e discernimento celestial. Sou lançada em perplexidade, quanto a seu curso de ação e, agora, desejo dedicar-me à minha obra especial: Não ter parte em qualquer de seus concílios, nem participar de nenhuma reunião campal…Minha mente não será arrastada para a confusão pela tendência que eles manifestam em trabalhar diretamente contrário à luz que Deus me deu. Estou decidida… Eu os deixarei, pois, para receber a palavra da Bíblia.” - Letter W-186, 2/12, para Edson e Willie White, página 4-5.

 “Eles têm visto transações erradas e ouvido palavras erradas sendo proferidas, e têm visto princípios errados sendo seguidos, e não têm falado em reprovação, por temor de que seriam repelidos...”. Special Testimonies, Série B, # 2, pp. 14-15,43.

Os líderes fecharam e bloquearam a porta contra a entrada do espírito… os homens firmaram-se na prática do mal e disseram ao espírito de Deus: Segue o teu caminho, por agora! Quando houver ocasião… então, te chamaremos- Cartas de B. Creek, 55-56, de 23/8/1902.

 

ADVERTÊNCIAS DE ELLEN WHITE QUANTO A CONDIÇÃO DA IASD

Nas balanças do santuário está sendo pesada a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ela será julgada pelos privilégios e vantagens que tem desfrutado. Se a sua experiência espiritual não corresponde às vantagens que Cris­to, a custo infinito, lhe propiciou, se as bênçãos conferidas não a qualificou a realizar a obra que lhe foi confiada, a seu respeito será pronunciada a sentença:Achada em falta’. Mediante a luz concedida, as oportunidades dadas, ela será julgada”. – Testemunhos Seletos, Vol. 3, pág. 251.

“Foi-me então mostrada uma companhia que gemia em agonia. Sobre suas vestes estava escrito em gran­des letras: ‘Pesado fostes na balança, e achado em falta’. Perguntei quem era esse grupo. O anjo respondeu: Estes são os que outrora observaram o sábado e a ele renunciaram’. `Vi que tinham se abeberado de pro­fundas águas, e turvado o restante com os pés - espezinhado o sábado - e por isso é que foram pesados na balança e achados em falta”. Primeiros Escritos, p. 37.3.

Vejamos o que Ezequiel profetizou sobre isto:

Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza e dize-lhes: Assim diz o SENHOR Deus: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não apascentarão os pastores as ovelhas? ...Acaso não vos basta a boa pastagem?  Haveis de pisar aos pés o resto do vosso pasto? E não vos basta o terdes bebido as águas claras?  Haveis de turvar o resto com os vossos pés? - Ezequiel 34:2 e18.

“O termo Babilônia, derivado de Babel, e significando confusão, é aplicado na Escritura às várias for­mas de religião falsa ou apóstata. Mas a mensagem anunciando a queda de Babilônia deve aplicar-se a algum corpo religioso que outrora foi puro, e se tornou corrupto. Não pode ser a igreja romana a que aqui se refere; pois essa igreja tem estado numa condição caída por muitos séculos”. espírito de Profecia, vol. 4, p. 232.8 (O Grande Conflito original de 1884).

Vemos aí que a igreja - o santuário do Senhor - foi a primeira a sentir o golpe da ira de Deus. Os anciãos, aqueles a quem Deus dera grande luz, e que haviam ocupado o lugar de depositários dos interesses espirituais do povo, haviam traído o seu depósito. Colocaram-se no ponto de vista de que não precisamos esperar milagres e as assinaladas manifestações do poder de Deus, como nos dias da antiguidade. Os tempos mudaram. Estas palavras fortaleceram-lhes a incredulidade, e dizem: O Senhor não fará bem nem mal. É demasiado misericordioso para visitar Seu povo em juízos. Assim, paz e segurança é o grito de homens que nunca mais erguerão a voz como trombeta para mostrar ao povo de Deus suas transgressões, e à casa de Jacó os seus pecados. Esses cães mudos, que não querem ladrar, são aqueles que sentirão a justa vingança de um Deus ofendido. Homens, virgens e crianças, todos perecerão juntos. “Testemunhos Seletos, Vol. 2, págs. 65, 66

 “Deve-se ter em mente que as promessas e as ameaças de Deus são igualmente condicionais”. Evange­lismo, p. 695.3.

Temos muito mais a temer de dentro do que de fora. Os obstáculos à força e ao êxito são muito maiores da parte da própria igreja do que do mundo.” Eventos Finais, pág. 156.

 

ADVERTÊNCIAS DE ELLEN WHITE QUANTO ÀS MUDANÇAS NOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA IASD

 “A causa de Cristo será traída. Aqueles que têm tido a luz da verdade e têm desfrutado suas bênçãos, mas se desviaram dela, lutarão contra o espírito de Deus. Inspirados por um espírito que procede de baixo, eles porão abaixo aquilo que haviam edificado, e mostraram a todas as almas razoáveis e tementes a Deus que não são dignos de confiança.

“Eu digo a vocês, que quando eu for ao descanso, grandes mudanças ocorrerão. Eu não sei quando serei levada, e eu desejo advertir a todos contra os enganos do diabo. Eu desejo que as pessoas saibam que eu as adverti claramente antes da minha morte.” Manuscrito 1, 24 de Fevereiro de 1915.

"Os principais pontos de nossa fé como temos abraçado hoje estão firmemente estabelecidos. Ponto após ponto foram claramente definidos, e todos os irmãos estão juntos em harmonia. O grupo inteiro dos crentes está unido na verdade.” (MS 135, 1903. Ellen G. White, Os Anos Anteriores (The Early Years) Volume 1 - 1827-1862, Página 145)

“...Nenhum alfinete deve ser removido no que o Senhor estabeleceu... Nós encontraríamos segurança em menos do que o Senhor nos tem dado nesses últimos cinqüenta anos?” (Review and Herald, 5 de maio de 1905).

“Sou instruída a dizer que aqueles que queriam arrasar os fundamentos que Deus estabeleceu não de­vem ser aceitos como mestres e instrutores de Seu povo”. Special Testimonies, Série B, # 7, pp. 36-41. Outu­bro de 1903.

“Satanás estabeleceu seus planos para solapar a nossa fé na história da causa e obra de Deus. Estou pro­fundamente ansiosa ao escrever isto. Satanás está agindo com homens em posições de destaque para eliminar os fundamentos de nossa fé. Permitiremos que isso seja feito, irmãos? Review and Herald, vol. 19 de novembro de 1903.

Que ninguém busque derrubar os fundamentos de nossa fé, fundamentos que foram estabeleci­dos no princípio de nossa obra mediante estudo da Palavra com oração e por revelação. Sobre esses fundamentos temos estado edificando pelos últimos cinquenta anos. Os homens podem supor que encontraram uma nova manei­ra de lançar um fundamento mais forte do que esse que foi lançado. Outro fundamento nenhum homem pode lan­çar além do que foi lançado”. Testimonies, vol. 8, p. 297.1.

“As mentes de muitos a quem suporíamos naturalmente que veriam as coisas com clareza estão cegadas como se com um enfeitiçado sofisma de erro.” - Spe­cial Testimonies, Série B, # 7, p. 6.1 (27 de novembro de 1903).

Nós não podemos aceitar as palavras daqueles que trazem mensagens contradizendo os principais pontos da nossa fé. Eles juntam um mundo de textos e uma pilha de provas que sustentam as suas teorias. Isso tem acontecido sempre nos últimos 50 anos. Enquanto as Escrituras são a Palavra de Deus e devem ser respeitadas, se o que eles mostram altera um pilar do fundamento que Deus tem sustentado nesses passados 50 anos é um grande engano. Os que recebem essas explicações sabem das maravilhosas demonstrações do espírito Santo, que nos deu poder e força nas mensagens do passado, que vieram ao povo de Deus.” Ellen White, 1905, Manuscript Release No. 760: The Integrity of the Sanctuary Truth, pages 18-20.

 “O inimigo das almas tem procurado introduzir a suposição de que uma grande reforma devia efetuar-se entre os adventistas do sétimo dia, e que essa reforma consistia em renunciar às doutrinas que se erguem como pilares de nossa fé, e empenhar-se num processo de reorganização. Se tal reforma se efetuasse, qual seria o resultado? Seriam rejeitados os princípios da verdade, que Deus em Sua sabedoria concedeu à igreja remanescente. Nossa religião seria alterada. Os princípios fundamentais que têm sustido a obra nestes últimos cinqüenta anos, seriam tidos na conta de erros. Estabelecer-se-ia uma nova organização. Escrever-se-iam livros de ordem diferente. Introduzir-se-ia um sistema de filosofia intelectual.” Special Testimonies Série B, nº 2, págs. 51-59, 1904 / Mensagens Escolhidas, Vol. 1, págs. 204 e 205. 

No testemunho lido, percebemos um alerta para a obra que Satanás estava tentando executar dentro da IASD. Satanás queria induzir na mente de líderes que era necessária uma reforma dentro do movimento adventista, renunciando as doutrinas que são os pilares da fé. Quais eram as doutrinas pilares da fé, segundo o texto? Eram elas Os princípios fundamentais que têm sustido a obra nestes últimos cinqüenta anos”. As doutrinas pilares da fé, em 1904, eram as mesmas que existiam a cinqüenta anos, ou seja, desde 1854 e a trindade não fazia parte destas doutrinas. 

"Como um povo, devemos estar firmes sobre a plataforma da verdade eterna, que resistiu a todas as provas. Devemos ater-nos aos seguros pilares de nossa fé. Os princípios da verdade que Deus nos revelou, são nossos únicos, fiéis alicerces. Eles é que fizeram de nós o que somos. O correr do tempo não lhes diminuiu o valor." Special Testimonies, Serie B, n 2, págs. 51-59 (1904) / Mensagens Escolhidas, Vol. 1, pág. 201.

“Aqueles que procuram remover os velhos marcos, não estão retendo firmemente; eles não estão se lembrando de como receberam e ouviram. Os que tentam introduzir teorias que removeriam os pilares de nossa fé quanto ao santuário ou quanto à personalidade de Deus ou de Cristo, estão agindo como cegos. Estão procurando introduzir incertezas e deixar o povo de Deus à mercê das ondas, sem uma âncora.” (Manuscript Release 760, Págs. 9 e 10).

 

O que disse J. N. Andrews sobre a Doutrina da trindade?

Essa doutrina destrói a personalidade de Deus e seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor. – J. N. Andrews, Advent Review, 06 de março de 1855.

“Haverá, mesmo entre nós, mercenários e lobos disfarçados em ovelhas que persuadirão [alguns do] rebanho de Deus a sacrificar a outros deuses diante do Senhor. ...e os desdenhadores que duvidam e perecem, que desprezam a soberania do Ancião de Dias e colocam um falso deus sobre o trono, um ser de sua própria invenção, um ser completamente tal qual eles mesmos - estes instrumentos estarão nas mãos de Satanás para corromper a fé dos incautos.” (Mensagens Escolhidas, Vol. 3, pág.398).

“Vi que os misteriosos sinais e maravilhas e as falsas reformas aumentariam e se espalhariam. As que me foram mostradas não eram reformas do erro para a verdade.” – Primeiros Escritos, págs. 44-45.

“Numa representação, que passou perante mim, vi certa obra a ser realizada… o fundamento da nossa fé estabelecido com tanta oração… estava a ser derribado, pilar por pilar. Esse fundamento, que se firma no Santuário, tinha sido eliminado”. - Manuscript 46, de 18/5/1904.

 

QUANDO ESTAS MUDANÇAS OCORRESSEM, SEGUNDO ELLEN WHITE, O QUE DEVERIA SER FEITO?

“Deus me tem dado luz acerca dos nossos periódicos. O que é isto? Ele falou que os mortos hão de falar; como? As suas obras os seguirão. Nós estamos repetindo as palavras dos pioneiros em nosso trabalho; de quem sabe quanto custa procurar pela verdade como um tesouro escondido. Eles avançaram passo por passo sob a influência do espírito de Deus. Um por um desses pioneiros já morreu. A palavra que me foi dada é: Faça com que, o que esses homens escreveram no passado, torne a ser escrito.”

Quando o homem vier mover um alfinete do nosso fundamento o qual Deus estabeleceu pelo seu Santo espírito, deixe os homens de idade que foram os pioneiros no nosso trabalho falar abertamente, e os que estiverem mortos falem também, reimprimindo os seus artigos das nossas revistas. Juntemos os raios da divina luz que Deus tem dado, e como Ele guiou seu povo, passo a passo no caminho da verdade. Esta verdade permanecerá pelo teste do tempo e da experiência.” -  24 de Maio de 1905 - Manuscript Release Vol. 1 pág. 55.

 “A minha mensagem a vós é: Não mais consenti em ouvir sem protesto a perversão da verdade. Des­mascarai os sofismas pretenciosos. . .” Special Testimonies, Série B, # 2, p. 15.2. (24 de julho de 1904).

 “A igreja é edificada sobre Cristo como o seu fundamento; deve obedecer a Cristo como sua ca­beça. Não deve depender do homem, ou ser controlado pelo homem. Muitos alegam que uma posição de confian­ça na igreja lhes dá autoridade para ditar o que outros homens devem crer e o que devem fazer. Essa reivindica­ção Deus não sanciona. O Desejado de Todas as Nações, p. 414.4.

“Aqueles que recebem a pura marca da verdade, operada neles pelo poder do espírito Santo, representa­da por uma marca pelo homem vestido de linho, são aqueles que suspiram e gemem por todas as abominações que se cometemna igreja”. Testimonies, vol. 3, p. 267.4.

Não permitais que aqueles que não têm a verdade tal como é em Jesus sancionem, até mesmo por seu silêncio, a obra do mistério da iniquidade. Que nunca cessem de fazer soar a nota de alarme”. Mensagens Esco­lhidas, Livro 2, p. 369.9.

Vejamos o conselho de Isaías quanto a estas questões:

Clama a plenos pulmões, não te detenhas, ergue a voz como trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão e à casa de Jacó, os seus pecados.” – Isaías 58:1.

Crendo ser Ellen White a profetiza do Senhor, não podemos descartar suas advertências, pois se assim fizermos, seremos seduzidos pelo inimigo. Diz ela:

Homens podem levantar esquema após esquema, e o inimigo buscará seduzir almas da verdade, mas todos quantos crêem que o Senhor tem falado mediante a irmã White, e lhe concedeu uma mensagem, estarão seguros dos muitos enganos que sobrevirão nestes últimos dias”. Mensagens Escolhidas, Livro 3, pp. 83-84.

 

A APOSTASIA ÔMEGA

"Alguns se rebelarão contra o testemunho direto da Testemunha Fiel; não se oporão às trevas que estão rodeando... e a aceitação de diversas doutrinas errôneas produzirão forte sacudidura. Entre essas falsas teorias, acham-se a especulação em torno da natureza de Deus e os conceitos errôneos acerca da recepção do espírito Santo e do que significa a Santificação.” (Crise e Vitória, pág. 20).

"As verdades mais claramente reveladas na Escritura Sagrada têm sido envoltas em dúvida e trevas pelos homens doutos que, com pretensão de grande sabedoria, ensinam que as Escrituras têm um sentido místico, secreto, espiritual, que não transparece na linguagem empregada. Estes homens são falsos ensinadores. Foi a essa classe que Jesus declarou: 'Errais vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus.' Mar. 12:24. A linguagem da Bíblia deve ser explicada de acordo com o seu óbvio sentido, a menos que seja empregado um símbolo ou figura." (O Grande Conflito, págs. 598-599).

Ao receber do anjo relator instruções para escrever sobre as idéias panteístas do Dr. Kellogs, a qual ela denominou de “apostasia “alfa”, que significa primeira, Ellen White também recebeu instruções para escrever sobre a apostasia “Ômega”, que significa “último”. Mas quando viria esta apostasia? Viria no tempo em que Ellen G. White escreveu o testemunho (por volta de 1905), ou no futuro? Se viria no futuro, quão longe ela estaria? Este texto da mensageira do Senhor nos esclarece este ponto:

“Eu sabia que o Ômega se seguiria em pouco tempo; e eu tremi por nosso povo. Eu sabia que eu precisava avisar nossos irmãos e irmãs para não entrar em controvérsia sobre a presença e personalidade de Deus. As declarações feitas em The Living Temple a esse respeito são incorretas. A escritura usada para substanciar a doutrina ali colocada, é a escritura mal aplicada.” Manuscript Releases, vol 4 pág.53.

Segundo este texto, a apostasia Ômega se seguiria pouco tempo depois da apostasia alfa, que se deu por volta de 1905. Por saber que esta apostasia se desenrolaria, a mensageira do Senhor “tremeu” pelo povo adventista. Outro texto escrito por Ellen G. White, nos traz luz sobre este tema:

“Uma coisa é certa que em breve se realizará a grande apostasia, que se está desenvolvendo e aumen­tando mais e mais, e continuará a fazê-lo até que o Senhor desça do Céu com um clamor. Devemos manter firmes os princípios de nossa fé, e seguir adiante de força e crescente fé. Devemos sempre manter a fé que tem sido substanciada pelo espírito Santo de Deus desde os acontecimentos anteriores de nossa experiência até o tem­po presente.

“Nenhuma palavra é alterada ou negada. Aquilo que o espírito Santo testificou como verdade após a pas­sagem do tempo, em nosso grande desapontamento, é o sólido fundamento da verdade. Os pilares da verdade fo­ram revelados, e nós aceitamos os princípios fundamentais, observando os mandamentos de Deus e tendo a fé de Jesus”. Special Testimonies, Série B, # 7, pp. 56-57, (4 de dezembro de 1905).

“O Senhor declara que a história passada se repetirá ao encerrarmos a Obra. Toda verdade que Ele tem dado nestes últimos dias deve ser proclamada ao mundo. Todo pilar que Ele estabeleceu deve ser fortalecido. Não podemos agora nos afastar dos fundamentos que Deus estabeleceu. Não podemos entrar agora em qualquer nova organização; pois significaria apostasia da verdade. Manuscrito 129, 1905. Mensagens Escolhidas, Livro 2, p. 390.3.

“A evidência que tivemos nos últimos cinquenta anos da presença do espírito de Deus conosco como um povo, superará o teste dos que estão agora se unindo contra a mensagem de Deus”. Letter 356, 24 de outubro de 1907. Mensagens Escolhidas, Livro 2, p. 397.2.

“’Agora o espírito diz expressamente que nos últimos dias alguns se desviarão da fé, dando ouvidos a espíritos sedutores e doutrinas de demônios’. O tempo dessa apostasia está aqui. Todo esforço concebível será feito para lançar dúvida sobre as posições que temos ocupado durante meio século”. Letter 410, 1907. Mensagens Escolhidas, Livro 3, p. 408.7

“A menos que a igreja, que está agora sendo levedada com sua própria apostasia, se arrependa e se con­verta, ela comerá os frutos de sua própria confecção, até que se aborreça de si mesma”. Testimonies, vol. 8, pp. 247-250. 21 de abril de 1903.

“Se nos volvermos do testemunho da palavra de Deus e aceitarmos falsas doutrinas porque nossos pais as ensinaram, caímos sob a condenação pronunciada sobre Babilônia; estamos bebendo o vinho de suas abomina­ções”. Spirit of Prophecy, vol. 4, p. 357.4.

Vejamos o que disse o pioneiro R. F. COTTRELL sobre a Doutrina da trindade:

Sustentar a doutrina da trindade, não é mais que uma evidência da intoxicação pelo vinho que todas as nações beberam. O fato dessa ser uma das principais doutrinas, senão a principal, pela qual o bispo de Roma foi exaltado ao papado, não recomenda muito em seu favor.” – R. F. Conttrell, Advent Review, 06 de julho de 1869.

 

Diante do que acabamos de expor perguntamos:

Aceitaremos ser intoxicados pelo vinho das abominações que todas as nações beberam ou aceitaremos as advertências de Ellen White e rejeitaremos a Doutrina da trindade?

Diante das evidências bíblicas, dos escritos de Ellen White e dos pioneiros, não temos dúvidas de que a Doutrina da trindade não é uma Doutrina bíblica, uma vez que não subsiste ao crivo das Escrituras Sagradas, pois:

• Nega que Deus seja um;

• Nega que o Pai seja o soberano do universo;

• Nega que Cristo seja Filho literal de Deus;

• Nega que Cristo tenha morrido na cruz;

• Leva o homem a quebrar o primeiro mandamento da Lei de Deus.

 

Diante do que acabamos de expor, perguntamos:

De que lado é mais conveniente ficar nesse debate acerca da trindade?

Estar do lado oposto a essa doutrina, só traz dissabores, escárnio, perseguição e dor...

Que lado escolheria qualquer ser humano, agindo racionalmente?

Nem é preciso ser tão inteligente para saber que a escolha penderia para acatar a doutrina.

É o que a grande maioria tem feito e segundo o ditado popular: "A voz do povo é a voz de Deus".

Mas... Como me sentiria, sabendo que para apoiar a Doutrina da trindade, devo ir contra tudo aquilo que aprendi como fruto de oração e estudo da palavra de Deus?

E se, para ensinar essa doutrina, devo fazê-lo com um peso no coração, pois pela luz que vem de Deus através de Sua Palavra, tenho constatado, por texto após texto, que a crença na trindade é uma "casa" construída sobre a areia?

Quando a grande norma pela qual todo ser humano será julgado for aberta e o Senhor me fizer a pergunta: "Onde encontraste essa doutrina na Minha Palavra?", que responderei?

Farei como os católicos, tentarei provar a Deus que a tradição fazia parte de Sua mensagem aos homens?

Direi que aprendi com os lideres da Igreja e que, como membro, para não criar divisão, eu deveria aceitá-la?

Ellen White escreveu:

“Mas vemos que o Deus do Céu por vezes comissiona pessoas para ensinar aquilo que é considerado contrário as doutrinas estabelecidas. Aqueles a quem o Senhor havia feito depositários da verdade provaram-se infiéis a seu legado, e Deus escolheu outros que receberiam os brilhantes raios do Sol da Justiça, e defenderiam verdades que não estavam de acordo com as idéias dos líderes religiosos. E depois esses líderes, na sua cegueira mental, deram amplo impulso ao que supunham ser uma justa indignação contra aqueles que estavam pondo de lado suas acariciadas fábulas..” - Ellen G. White em Meditações Matinais 2002, 23 de Outubro.

 

Concluindo, fazemos nossas as palavras de Paulo:

“Vocês nos devem tratar como servidores de Cristo, que foram encarregados de administrar a realização dos planos secretos de Deus. O que se exige de quem tem essa responsabilidade é que seja fiel ao seu Senhor. Mas para mim não tem a menor importância ser julgado por vocês ou por um tribunal humano. Eu não julgo nem a mim mesmo. A minha consciência está limpa, mas isso não prova que sou, de fato, inocente. Quem me julga é o Senhor. Portanto, não julguem ninguém antes da hora; esperem o julgamento final, quando o Senhor vier. Ele trará para a luz os segredos escondidos no escuro e mostrará as intenções que estão no coração das pessoas. Então cada um receberá de Deus os elogios que merece.”- I Corintios 4:1-5.

Que o espírito de Deus vos ilumine e lhes dê sabedoria para tomarem a decisão correta.

Amém!

Adilson de Souza

Isabel Cristina Andrade de Souza

Jonny Andrade de Souza

Jhonatan Andrade de Souza

Jhefrey Andrade de Souza

 

Leia também:

Perguntas que Clamam pelas Respostas do Membros da IASD

Clic Aqui para enviar esta Matéria para um amigo!

 

 

Rua 9 de Julho, 1600 - Ipiranga

CEP - 88.111-380 - São José/SC

 (48) 246-8184

VOLTAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.